Controle de acesso contra estranhos: proteja sua família

Tags:

Pense e responda: como você cuida da segurança da sua casa e da sua empresa e evita que estranhos entrem? Como você controla o acesso à sua residência ou ao seu negócio?

A resposta a essa pergunta pode ser mais complexa do que você imagina. Se até agora tudo o que você utiliza para barrar a entrada de desconhecidos é a chave na fechadura, é hora de ligar o alerta e pensar em soluções para controle de acesso residencial e corporativo.

Mas, mesmo se você acha que possuir um sistema de alarme é o suficiente, tome cuidado: essa solução, embora seja essencial para reforçar a segurança, serve para alertar para a tentativa de arrombamentos, mas não impede a entrada de pessoas indesejadas.

Por isso, o melhor que você tem a fazer é adotar para sua casa ou empresa algum mecanismo que seja capaz de barrar o acesso de estranhos. Para você não ficar na dúvida e descobrir qual é a melhor solução para você, a Argus Control separou alguns dos principais tipos de controle de acesso utilizados, suas características e também seus benefícios e desvantagens.

Tipos de controle de acesso

Existem basicamente três tipos de controle de acesso: o que pode ser realizado por pessoas, como um recepcionista, um segurança ou um guarda; o de meios mecânicos, como fechaduras ou chaves; ou através de meios tecnológicos, como fechaduras eletrônicas, cartões de acesso e sistemas biométricos. Abaixo, explicamos melhor como funcionam cada um deles e as diferentes tecnologias de que dispõem:

1. Controle de acesso feito por pessoas

Esse é com certeza o mais antigo sistema de controle de acesso existente, e pode ser realizado tanto de um só local (como uma guarita) quanto de mais locais (como no caso de uma ronda). Infelizmente, porém, muitas vezes esse sistema é falho por uma série de que questões, por exemplo:

• descuido do responsável pelo controle;
• poucas pessoas para fazer a vigia;
• área muito difícil de ser vigiada (com muitos pontos cegos etc.);
• rendição da pessoa responsável pelo controle de acesso;
• suborno ou convencimento do vigia.

Além de cara (pois é necessário pagar o salário de pessoas que façam o serviço de controle de acesso), essa solução pode se mostrar altamente ineficiente, especialmente se for utilizada de maneira isolada. O ideal é que ela seja combinada com outros mecanismos mais assertivos, ou usada sozinha apenas quando outro sistema de controle não for possível.

2) Controle de acesso mecânico

Os controles de acesso do tipo mecânico são aqueles que utilizam formas não eletrônicas. Também são bastante antigos, e possuem certa eficiência. Os tipos mais comuns são: chaves comuns, chaves tetra, fechaduras, cadeados e catracas mecânicas. Eles conseguem barrar o acesso em casos mais corriqueiros, em que as pessoas costumam respeitar essas barreiras. Contudo, quando se trata de situações em que há delito, como no caso de arrombamentos e invasões, essas soluções se mostram limitadas, pois podem ser facilmente burladas, como por exemplo:

• portas com chaves comuns e tetra podem ser arrombadas;
• fechaduras e cadeados podem ser quebrados;
• catracas mecânicas podem ser puladas ou até mesmo retiradas do local.

Isso não significa que essas soluções não devam ser utilizadas, mas sim que elas devem servir como complementos para um sistema de controle de acesso mais eficiente. Além disso, como muitas delas ficam facilmente visíveis, elas podem servir para desestimular a ação de bandidos menos “preparados” para uma ação de arrombamento ou invasão.

3) Controle de acesso eletrônico ou tecnológico

Os mecanismos de controle de acesso eletrônico ou tecnológico englobam desde ferramentas mais simples, como cartões magnéticos, às mais complexas e caras, como o acesso biométrico, passando por soluções mais abrangentes como a fechadura eletrônica.

Todas elas têm como vantagem o fato de serem mais eficientes do que as outras formas de controle de acesso, uma vez que é mais difícil burlá-las, já que nesses métodos cada usuário tem uma forma de identificação única. Por exemplo, no caso dos cartões magnéticos, que costuma ser usado em empresas de grande porte, cada funcionário da empresa possui o seu, de modo que para acessar o local seria necessário obter o cartão de alguma maneira.

Já no controle de acesso biométrico, a identificação é feita através da leitura de determinadas características corporais, como impressão digital, reconhecimento facial ou retina, e permitem o acesso daqueles cujas características estão registradas no aparelho. A grande desvantagem desse sistema, no entanto, são os preços, que costumam ser maiores do que de outros meios de controle de acesso.

Por fim, uma das soluções mais abrangentes nesse sentido são as fechaduras eletrônicas, que podem ser adaptadas tanto para residências quanto para ambientes corporativos. Com elas, é possível trancar e destrancar portas presencial ou remotamente, e também programá-las para funcionarem de acordo com as necessidades dos usuários. Além disso, elas têm como grande vantagem o fato de que podem ser integradas a sistemas de automação e segurança residencial, aumentando ainda mais a proteção da sua casa.

Mais do que um investimento em segurança, um sistema de controle de acesso eficiente pode ser um investimento no seu patrimônio. Por isso, estude qual é a melhor opção para você controle o acesso à sua casa e sua empresa! E conheça também nosso material sobre sistemas de segurança de última geração!

CTA-CR-9